• Equipe Egea

O que é exatamente uma REGTECH e para que serve?



Na prática, são empresas dedicadas a oferecer soluções reguladoras para o cumprimento de leis, normas, circulares e quaisquer requisitos obrigatórios.


Elas podem ser consideradas parte do guarda-chuva das fintechs, já que sua principal aplicação está voltada para o setor financeiro.


O diferencial de uma RegTech é utilizar tecnologia para resolver gargalos específicos a partir de soluções mais econômicas, flexíveis e eficientes do que as oferecidas pelas empresas tradicionais.


Esse serviço especializado confere agilidade no monitoramento e na aplicação dos mecanismos de controle.


Segundo estudo do CB Insights, falhas causadas por problemas regulatórios representam 8% entre os motivos para fechamento de portas das startups.



RegTech no Brasil


As RegTechs encontram terreno fértil para crescimento no Brasil devido à complexidade do ambiente regulatório. Só o setor financeiro é regulado por oito órgãos, entre eles o BACEN (Banco Central), a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e o CMN (Conselho Monetário Nacional).


Quais são os serviços oferecidos por uma RegTech?


Empresas desse tipo oferecem soluções automatizadas para o cumprimento de exigências regulatórias, gerenciamento de riscos e ferramentas voltadas ao conhecimento do consumidor – prática conhecida no mercado como KYC (Know Your Customer).


As RegTechs atuam diretamente no monitoramento, na geração de relatórios e na estratégia

de conformidade com as regulamentações.


Entre os serviços prestados, estão aqueles indispensáveis ao processo de onboarding – quando a empresa valida informações pessoais e históricos de novos clientes.


Verificação de identidade, incluindo o uso de biometria, e checagem de listas restritivas são algumas das tecnologias utilizadas nesse processo. O objetivo é investigar eventuais suspeitas relacionadas a fraudes ou atos de corrupção e lavagem de dinheiro.


Como as RegTechs podem ajudar no Compliance de uma empresa?


A análise inteligente de dados, potencializada por soluções de inteligência artificial, é a principal contribuição das RegTechs para o setor de Compliance de uma grande empresa.


Segundo pesquisa conduzida pela Deloitte, 78% das empresas consultadas manifestaram preocupação com sua capacidade de adaptação às mudanças regulatórias.


O receio de não atender às exigências dos órgãos fiscalizadores se traduz em investimentos massivos na área. Em 2019, o mercado de governança de riscos movimentou US$ 31.2 bilhões de acordo com a consultoria Grand View Research.


No dia a dia das organizações, o Compliance pode se beneficiar do apoio das RegTechs tanto na adaptação ao ambiente regulatório quanto no gerenciamento de riscos.


Uma RegTech traduz normas regulamentadoras, que geralmente são complexas, em API simplificada. Isso agiliza os processos no Compliance e facilita o entendimento do que precisa ser feito, mantendo os custos do setor baixos.


Tal uso intuitivo da tecnologia permite que ao mesmo tempo seja possível ter, de um lado, regras sólidas e estáveis no ecossistema e, do outro, inovação constante.

Confira abaixo, ponto a ponto, como a RegTech pode ajudar o Compliance da sua empresa:


Otimização dos processos


Regras devem ser cumpridas. Todas as empresas, em todos os setores, são reguladas de alguma forma e precisam estar atentas aos fatores que impactam seus negócios.


Trata-se de um processo contínuo. O acompanhamento frequente pelos gestores evita atrasos nas adaptações e garante atenção aos mecanismos de controle.


Essa não é uma tarefa fácil, ainda mais quando feita manualmente.


A função de uma RegTech é otimizar demandas relacionadas a tempo hábil e de maneira eficiente. Ao utilizar soluções automatizadas, as RegTechs fazem todo o gerenciamento do ambiente regulatório, detectam necessidades de adequação e apontam os caminhos adequados a serem percorridos.


Redução dos riscos


As empresas estão expostas a riscos variados, tais como ciberataques, brechas de segurança, fraudes, atos de lavagem de dinheiro, entre outros.


Adotar mecanismos de controle contra essas ameaças é, portanto, fundamental.

A aplicação de tecnologia na gestão de terceiros e na análise de conflitos de interesse agiliza consideravelmente o trabalho do Compliance.


Algumas soluções utilizadas pelas RegTechs para identificar irregularidades e manter a segurança nas operações são: biometria na validação de documentos e extração de informações pessoais a partir de OCR – reconhecimento ótico de caracteres.


Por meio do monitoramento das transações financeiras, é possível encontrar suspeitas de irregularidades de forma automatizada e contribuir para tomadas de decisões mais precisas e rápidas.


As soluções avançadas das RegTechs possibilitam, por exemplo, capturar os detalhes de cada transação e analisá-los com base em padrões de comportamento de atividades criminosas.


Redução dos custos


Os recursos humanos são valiosos e não podem ser desperdiçados. Por isso, o ganho de eficiência é significativo quando demandas operacionais são delegadas às soluções digitais.

Para se ter uma ideia dos benefícios proporcionados pela tecnologia, compartilhamos resultados alcançados internamente.


Segurança de dados


Para atuar com análise de dados, é preciso cuidar bem deles. Afinal, eles representam pessoas, que são ativos importantes em qualquer organização, e inclusive atingiram um novo patamar com a vigência da LGPD.


A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais coloca “ordem na casa” e prevê responsabilidades para empresas que lidam com grandes quantidades de dados, como é o caso de uma RegTech.


Além da LGPD, o PIX, sistema de pagamentos recentemente desenvolvido pelo Banco Central, também ajuda a amplificar discussões acerca da segurança de dados.

Desde que entrou em funcionamento, em novembro, a plataforma joga luz sobre a importância de atuar em conformidade com as leis no setor financeiro.


Como a direct.data pode auxiliar a sua empresa no compliance?


Abaixo, listamos alguns dos principais problemas que resolvemos na área de Risk & Compliance junto ao setor financeiro, considerado o mercado principal de atuação de uma

RegTech:


Onboarding de clientes


Permite aprovar o maior número de clientes de forma rápida, com o menor risco operacional possível, e conhecê-los a fundo.


É possível compreender, em detalhes, os potenciais fornecedores, clientes e distribuidores antes de fechar um negócio.


Compliance e monitoramento


Diminui o risco de inadimplência e de fraudes. E atende aos órgãos reguladores como BACEN e CVM.


Com essa solução, as empresas monitoram os stakeholders de forma contínua e recebem alertas de potencial envolvimento com atividades suspeitas.


Pode-se, ainda, ir além: identificar estruturas societárias, grupos econômicos e outros tipos de relações, além de analisar proximidade com listas de risco personalizáveis.


Análise e recuperação de crédito

Diminui riscos na concessão e expande índices de recuperação de crédito.


Combate à corrupção

Aumenta a agilidade e eficiência dos processos de prevenção à lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo.


Gestão estratégica de processos

Reduz o passivo da empresa, assim como a quantidade de processos judiciais, e acelera a tomada de decisão relacionadas aos processos.


Conclusão

Não é à toa que o setor de Compliance tem se tornado tão estratégico nos últimos anos.


Empresas que adotam mecanismos de controle rígidos e monitoram o ambiente corporativo de perto são consideradas confiáveis e colhem ganhos reputacionais relevantes.


Nesse cenário, as soluções digitais oferecidas por uma RegTech são grandes aliadas dos Compliance officers.


Principalmente quando considerada a realidade de equipes enxutas encarregadas de manter em dia as operações de conformidade.


Investir no uso de tecnologia para monitorar e detectar ameaças é, também, um exercício de olhar para o futuro e acompanhar tendências.


O aporte global em soluções analíticas capazes de mitigar riscos operacionais deve subir de US$ 23 bilhões, em 2019, para US$ 45.9 bilhões em 2024, segundo a consultoria MarketsAndMarkets.


No ambiente de negócios, o investimento na área é uma sinalização positiva de que a organização se compromete com as melhores práticas de segurança e de responsabilidade comercial.


De maneira ampla, o uso da tecnologia aprimora o desempenho de várias frentes nas empresas e contribui para resultados mais sólidos.


Especialmente no Compliance, as soluções digitais imprimem mais agilidade nas tarefas cotidianas e permitem que os líderes invistam no que mais importa: o capital humano.










Crédito: Neoway

13 visualizações0 comentário